Amor egocêntrico versus amor centrado em Deus


Hoje, vários erros e crimes são cometidos sob o pretexto de “amor”, um problema considerado produto da epistemologia humanística. Esse tipo de epistemologia promove o lema de "Eu penso, logo existo" e se origina das visões dos filósofos ocidentais como Descartes. [39]



Esse tipo de base intelectual levará ao amor egocêntrico, que é, com efeito, baseado nos instintos inferiores humanos e não tem outro objetivo senão satisfazer os desejos inferiores indisciplinados e insaciáveis ​​do homem. [40]


Vale ressaltar que esse tipo de amor orientado a si e aos instintos tem suas raízes no utilitarismo, uma escola de pensamento na filosofia da ética, que surgiu no início do século XIX. [41] Jeremy Bentham, o fundador do utilitarismo, descreveu a utilidade como a soma de todo o prazer que resulta de uma ação, menos o sofrimento de qualquer pessoa envolvida na ação. [42]


Isso levou a maioria dos intelectuais ocidentais a ter prosperidade igual à busca de prazer material e sexual, definindo uma pessoa próspera como aquela que pode obter mais prazer da vida. Um exemplo de tais intelectuais são Sigmund Freud e os proponentes de sua escola de pensamento. [43]


Depois de apresentado, o hedonismo, que era basicamente uma escola de pensamento que promoveu uma extrema indulgência na busca de prazer sexual, foi aceito por muitos filósofos e intelectuais ocidentais. Hoje, a maioria das pessoas ocidentais aceitou a excessiva indulgência em prazeres sexuais à custa da distorção da verdadeira noção de amor e da destruição da instituição do casamento.


Isso ocorre porque no hedonismo, o objetivo é definido como derivar mais prazer da vida e não dá credibilidade às virtudes morais e aos valores espirituais. Esta, no entanto, é uma abordagem perigosa da vida que causou o colapso da moralidade em muitas sociedades, levando os jovens a um abismo de pecados e destruição. [44]


A versão do amor apresentada pela escola modernista é agora como uma panela grande e bonita que, se derrubada, nem uma única gota de emoções humanas puras e amor verdadeiro pingariam dela. Nesse tipo de amor, não há traço de afeto e carinho mútuos e, na maioria dos casos, o ente querido será deixado em paz com um mundo de tristeza, arrependimento e tristeza, pois sentirá que foi enganado. [45]


O fato é que o amor verdadeiro só é realizado através do casamento, porque somente através do casamento os dois amantes podem provar que são fiéis um ao outro. Além disso, é através do casamento que a excessiva indulgência de prazeres sexuais, vários tipos de corrupção e perversão sexual podem ser evitados. [46]


Em contraste com a versão modernista do amor, o amor centrado em Deus permitirá, por um lado, que as emoções e instintos humanos cresçam de maneira razoável e, por outro, permite que o homem se desenvolva em outras arenas e prospere em direção a perfeição. [47]


O verdadeiro propósito do amor é facilitar o desenvolvimento do homem em direção à perfeição; é por isso que um amante suporta todos os tipos de problemas e dificuldades pacientemente, a fim de alcançar seu objetivo, ou seja, ter seu amado ao seu lado. Esse tipo de comportamento humano está alinhado com sua natureza e consciência originais, que sempre o levam à perfeição. [48]


Deus é a Existência Perfeita e, uma vez que o homem é por natureza após a perfeição, ele intrinsecamente tem o amor de Deus. Essa inclinação humana natural à perfeição também se reflete nos amores terrenos do homem; o amor terreno pode ser encarado como um pré-requisito para o real propósito do amor, isto é, o amor do Ser mais perfeito.


É devido à inclinação natural do homem para a perfeição que um amante vê todas as características de seu ente querido como bonitas e desconsidera suas deficiências. É através de um sentimento tão sagrado que o marido e a esposa se sacrificam na vida, por amor a um ao outro, a fim de ajudar um ao outro a se desenvolver nos aspectos mundanos e espirituais da vida. [49]


É através de um vínculo baseado no afeto e no sacrifício que o casal finalmente encontrará o verdadeiro amor, ou seja, o amor de seu Criador, Alá, que é o Ser Perfeito e eterno, a bondade suprema e Aquele que criou tudo isso. é bom. [50]


Conclusão: Família Casada, a Essência do Amor


Infelizmente, o mundo de hoje se transformou em um lugar que é habitado principalmente por pessoas insensíveis. Hoje, as emoções da família entre pais e filhos e entre irmãos foram enfraquecidas em grande parte. [51]


Esse desafio surgiu enquanto a família deve ser a fonte de sentimentos e emoções humanas [52] e um lugar onde a própria essência do amor deve ser buscada. Isso ocorre porque o amor verdadeiro seria realizado através da atenção a todos os aspectos da vida dentro da família; claramente, mostrar amor apenas em palavras sem demonstrá-lo na prática seria uma palavra vazia. [53]


Portanto, o amor verdadeiro e uma família humana real não seriam alcançáveis, a menos que todos os membros da família expressassem afeto e amor um pelo outro e demonstrassem isso também na prática. Se esse fator importante for negligenciado ou não receber atenção suficiente, a sociedade humana enfrentará inúmeros problemas, entre os quais o menos importante é a disseminação da ansiedade entre seus membros. [54]


Dada a importância do amor familiar, as pessoas solteiras nunca seriam completas moral e psicologicamente. Isso ocorre porque muitas virtudes morais, como lealdade,percebida, afeição mútua, amor, sacrifício próprio e gratidão, são melhor percebidas através da vida familiar. Naturalmente, quem não faz parte de um importante instituto social não será capaz de cultivar adequadamente essas virtudes dentro de si. [55]


Para encontrar o amor verdadeiro, a vida de um casal precisa ser fundamentada no amor centrado em Deus, e não no tipo de amor que se baseia em desejos inferiores. É esse tipo de amor que se enraizará e permanecerá firme diante das adversidades. O produto desse puro amor mútuo, quando realizado na forma de uma família, seria um refúgio seguro para a humanidade, na qual eles vivem felizes e prosperam. [56]


[39] The Message of the Quran, vol. 5, p. 238.

[40] Sexual Problems of the Youth, p. 80.

[41] The Encyclopedia of Comparative Fiqh, vol. 1, p. 643.

[42] Ibid.

[43] How to Gain Knowledge of Allah. P. 217.

[44] Ibid.

[45] Sexual Problems of the Youth, p. 81.

[46] Islam and the Emancipation of Slaves, p. 22.

[47] Ibid.

[48] The Creator of the World, p. 20.

[49] The Speech of G. A. Makarem Shirazi delivered during his advanced Fiqh course in the A‘zam Mosque in Qom: 1389.08.09

[50] Tafsīr Nemūneh, vol. 13, p. 275.

[51] Beautiful Parables of the Quran, vol. 1, p. 76.

[52] Tafsīr Nemūneh. Vol. 3, p. 376.

[53] The Merits of the Surah of the Quran, based on Tafsīr Nemūneh, p. 53.

[54] Rūm, 21 [Tafsīr Nemūneh, vol. 16, p. 414].

[55] Sexual Problems of the Youth, p. 25.

[56] Ibid, p. 84.

47 visualizações