As pessoas mais destetáveis diante de Deus



"Dentre todas as pessoas, as mais detestáveis perante Deus são de dois tipos: aquele devotado para consigo mesmo. Este está desviado do caminho da verdade e adora falar sobre (abomináveis) inovações, aliciando para o caminho errado. Ele é portanto, um incômodo para aqueles que o acatam, desvia aqueles que o seguem, tanto nesta Vida como na vida após a morte, carrega o peso dos pecados dos outros e está enredado em suas próprias más ações.
O outro é aquele que se encontra envolto em ignorância. Movimenta-se entre ignorantes, é insensato no desenrolar das mazelas e é cego quanto as vantagens da paz. Aqueles que se parecem com homens chamám-no de culto, mas ele não o é. Ele sai cedo pela manhă para coletar coisas cuja deficiência é melhor do que nada, até que, quando haja saciado sua sede com água poluída e adquirido coisas insignificantes, senta-se entre as pessoas como um juiz responsavel para resolver o que quer que seja que as esteja confundindo. Se um problema ambíguo é apresentado a ele, desenrola um pobre argumento sobre o assunto, de seu próprio acordo , e estabelece o Julganmento com base nisto. Dessa maneira, fica no emaranhado das dúvidas como em teias de aranha, não sabendo se está certo ou errado. Se estiver certo, temera estar errado, enquanto que se estiver errado, esperara estar certo. É ignorante, perambulando desgarrado em meio à ignoräncia, guiando a esmo uma carruagem, movendo-se na escuridão. Não tenta encontrar a realidade do conhecimento.
Espalha as tradições como o vento espalha as folhas secas. Por Deus, não é capaz de resolver os problemas que lhe são apresentados, tampouco é adequado para a posição que lhe foi designada. Qualquer coisa que não saiba, não a considera digna de ser conhecida. Não se conscientiza de que aquilo
que está além do seu alcance está ao alcance de terceiros. Caso qualquer coisa não lhe fique clara, ele se conserva em silêncio, porque está cônscio de sua própria ignorância. Vidas perdidas estão reclamando contra os seus injustos veredictos e as propriedades erroneamente dispostas estão rosnando contra ele. Eu me queixo a Deus acerca das pessoas que vivem em ignorância
e morrem desorientadas. Para elas nada é menos valioso do que o Alcorão, se este é recitado como deve ser, tampouco, nada é mais valioso do que o Alcorão, se seus versículos são deslocados, nem, ainda, nada é mais vicioso para elas do que a virtude, nem mais virtuoso do que o vício."

Imam Ali (as) - Sermão 17 - Nahjul Balaghah


64 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo